Violência Contra as Mulheres na Política: Um Custo para a Democracia!


Conferência das Mulheres do Partido Socialista Europeu em cooperação com as Mulheres Socialistas – Igualdade e Direitos (MS-ID)

 6 de dezembro, ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)

 

O PES Women, em cooperação com a sua congénere portuguesa Mulheres Socialistas-Igualdade e Direitos (MS-ID), realiza a sua conferência anual no dia 6 de dezembro, no ISCTE, em Lisboa, à margem do Congresso do Partido Socialista Europeu (PES).

Dedicada ao tema “Violência contra as Mulheres na Política: Um custo para a Democracia!”, procurar-se-á analisar este problema que está a impedir o progresso das mulheres em direção à igualdade. O objetivo é fazer um ponto de situação no que diz respeito à violência contra as mulheres na política e nas eleições numa perspetiva interna e externa, analisando as causas, os desafios e as consequências de abordar o problema, bem como as estratégias e os instrumentos não só para o combater, mas também para mudar a nossa cultura política a longo prazo.

As mulheres que se dedicam ao serviço público têm de fazer face a várias ameaças invisíveis. Este tipo de violência visa coagir mulheres politicamente ativas, restringindo a sua participação política em prejuízo da democracia.

A participação igualitária entre mulheres e homens na política e as oportunidades para o poder de decisão das mulheres a todos os níveis são universalmente reconhecidas como sendo a chave para sociedades mais prósperas e estáveis, tal como está estabelecido na Agenda da ONU para o Desenvolvimento Sustentável até 2030.

Não há dúvida que se tem assistido a progressos nas últimas décadas, com o número crescente de mulheres em cargos públicos e metas positivas quanto aos direitos das mulheres, incluindo a segurança pessoal e os direitos reprodutivos, mas também nas questões sociais como os cuidados infantis, a igualdade salarial, a licença parental e as reformas.

Contudo, a violência contra as mulheres continua a ser um dos mais sérios obstáculos à realização dos direitos políticos das mulheres de hoje. Pode literalmente marginalizar as mulheres em eleições, com acrescidas consequências negativas na sociedade devido ao défice democrático daí resultante.

Esta questão é uma preocupação crescente da parte de responsáveis políticos e profissionais de todo o espetro político. Enquanto o movimento #metoo finalmente quebrou o silêncio relativamente a casos de assédio sexual a vários níveis e encorajou as mulheres por todo o mundo a levantarem a voz, a violência contra as mulheres na política é ainda um fenómeno bastante oculto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

X